30 de abril de 2013

Hobbies

Há dois/quatro sítios onde gosto sempre de ir e desde pequena que me lembro de gostar: hortos/floristas e lojas de tecidos/retrosarias. Lembro-me, como se fosse hoje, de ir aos hortos ao domingo e trazer sempre uma plantinha, da qual tratava com muito amor e carinho. Gosto mesmo muito de plantas e de flores (então tulipas, girassóis e flores campestres nem se fala!!Beautiful!) e, ainda hoje, aprecio a variedade e a beleza desses locais (mas não ao domingo, please!! Parece uma romaria!), aos quais continuo a ir, nem que seja para sentir o cheiro da terra molhada. Na minha opinião, dão um toque especial a qualquer casa ou ocasião. Também me lembro muito bem, de passar horas colada na mestria da costureira e amiga da minha mãe (uma senhora que tanto gosto!! Ela e a sua mãezinha, uma idosa adorável...). Muito gostava eu de ficar no atelier dela a recortar tecidos e a vê-la criar. Ficava fascinada com isso! Isso e o cheiro dos tecidos! Gosto mesmo muito do cheiro a tecido novo e da minha imaginação a fervilhar com aqueles padrões. E as retrosarias? Pois, as retrosarias também são um mundo. Botões e pedras de todos os tamanhos e feitios, faixas de rendas, berloques e fitas de todas as cores... As coisas que eu podia fazer com aquilo!! Ás vezes até compro retalhos ou fitas porque tive ideias giras, mas depois não passam disso mesmo, ideias. É que da ideia à criação, vai um passo de gigante. E apesar da minha mummy me ter ensinado a coser, só sei o básico dos básicos e não tenho máquina... é tudo "à la patita". Daí que, esta semana, enquanto costurava um porta-chaves para a minha querida F., decidi que vou dedicar-me mais a esta arte. Quero aprender mais, quero criar, quero aperfeiçoar e sentir-me Zen. Sim, porque costurar relaxa-me e já que a jardinagem (embora goste) não é o meu forte, vou apostar neste hobby (já que o corte... é algo que já faço muito bem!ah ah ah!). Se alguém souber de cursos nesta área (grande Porto), é favor de me dizer! Muito agradecida.

27 de abril de 2013

2 anos de Blogue!

Eu não me acredito que deixei passar (again!!) o aniversário deste estaminé que eu tanto gosto (espero que vocês também!!). Penso sempre nisso em Março e só me volto a lembrar depois da data (11 de Abril). Pois é, já passaram 2 anos. O tempo voa... Foram 2 anos de partilha (às vezes não tanta como gostaria), 2 anos de alegrias (e algumas tristezas, que também fazem parte, embora se dispensassem, na minha modéstia opinião), 2 anos de ideias malucas e às vezes um tanto ou quanto reivindicativas... 2 anos de dedicação a este blogue que já faz parte de mim. Venham, no mínimo dos mínimos, mais dois. Obrigada por estarem por aí.

25 de abril de 2013

Tic tac Tic tac

A par da "paixão" por malas, sempre tive uma por relógios. Na verdade, acho que podem fazer toda a diferença num look. Nos últimos tempos (há mais de um ano!!) tenho andado sempre com o meu amigo da Swatch oferecido pela minha querida L.. É fofo e hiper, super, mega confortável, o que dá um jeitaço para quem trabalha com crianças. Só que acho que me estou a conformar demasiado com o conforto dele, ao ponto de, no Verão passado, nem ter colocado pilhas nos outros relógios! (é assim que se atrasa a vida, certo F.? Temos de tratar disso!) Sempre quis ter um relógio CK mas, por um motivo ou por outro, nunca aconteceu. Queria um em aço, que desse com tudo ... só que são tão caros (mal habituada.. todos os relógios foram oferecidos), que perco logo a vontade de investir num. Mas este ano, o meu aniversário será especial e começo a pensar em oferecer-me a mim mesma ou pedir aos meus amigos para fazerem uma "vaquinha" (5 euros a cada um já é uma óptima ajuda!)... isso ou mandar vir da China!:) Deixo-vos alguns modelitos que ando a namorar (depois há sempre a história de ficarem gigantes no meu pulso de Etíope, mas isso é outra história) da MK (paixão recente) e da CK (paixão antiga). href="http://1.bp.blogspot.com/-JCUPZnVsgto/UXkARrIzzAI/AAAAAAAABJg/nxPYAxlowLw/s1600/relogio+ck3.jpg" imageanchor="1" >

22 de abril de 2013

É por vocês meus meninos, é por vocês que tenho ido, no mínimo, 3 vezes/semana ao ginásio :)

19 de abril de 2013

O Perfume

(e não, não me refiro ao livro que, ao contrário de muito boa gente, não gostei). Há já alguns tempos que gosto muito do perfume Idylee da Guerlain, quer o Parfum quer o Sublime ("É pró menino e pra menina". Era suposto ter aqui um link directo, mas não estou a conseguir! J., ajuda-me!!), mas desde que uma amiga minha o usa, que renasceu a minha paixoneta por ele. A única coisa que não gosto é do preço. Não estou habituada a comprar perfumes e acho-os sempre demasiado caros. Podia sempre esperar pelo meu aniversário, mas também me custa pedir prendas tão caras e além disso, queria mesmo um perfume para esta altura mais primaveril, já que os meus são muito fortes e um outro que tenho é muito fresco. Queria assim um meio termo. Vai daí, pus-me à procura no OLX e no Custo Justo (passo a publicidade) e encontrei apenas um. Unzinho só! Realmente não é um perfume muito usual, mas bem que podia haver mais do que um para poder comparar. Adiante, a senhora diz que o dito cujo ainda tem a película, mas que tem cerca de 2 anos e até aceitou baixar 10 euros no preço inicial (sou mesmo boa a regatear!!), só que agora estou com receio de arriscar. Já tenho vendido artigos e sou sempre 100% transparente... por que raio fico de pé atrás com os outros? Não podem ser todos sinceros como eu? Ela até entrega em mão só que não sei, começo a pensar, a pensar (sim, sim, eu penso demais...) por que é que demorou 2 anos para vender, se estará a ser sincera, se será mesmo original (como não é dos mais "batidos", acredito que seja), se não esteve ao sol e o odor ficou alterado (se bem que tenho perfumes bem antigos que para mim cheiram exactamente igual e mesmo os das perfumarias não sabemos há quanto tempo estão lá...)... enfim... o que acham? Arrisco ou não arrisco?

17 de abril de 2013

*1 Para degustar...

Há pouco estava tão, mas tão desconsolada (ultimamente têm-me dado umas fomes malucas, não percebo) que tive de ir fazer um bolo de chocolate no micro-ondas. Obviamente que não é nada de especial, mas dá para o gasto. Como frio ainda é pior, três fatias já foram. Deixo-vos a receita: meia chávena de chocolate em pó, meia de leite e meia de óleo; uma chávena de farinha e outra de açúcar; 3 ovos inteiros. Bater tudo e levar ao micro-ondas numa forma de silicone durante 7 minutos. Mais fácil é impossível! :)

16 de abril de 2013

*5 Um dia...

... ainda vou perceber como é que as pessoas conseguem estar, normalmente no final de um dia de trabalho, uma hora a pedalar como se não houvesse a amanhã, com a música aos berros e sem luzes (aulas de cycling)... mas hoje não é o dia. P.S. Também gostava de perceber por que raio, no meu gym, abrem sempre a porta dessa aula para me enfernizarem os ouvidos com aquela música horrível. Se calhar ainda não perceberam que se eu não vou à aula é por algum motivo, não? Então faziam a gentileza de fechar a portinha? Assim, com aquilo tipo sauna, até desgastam mais calorias! Tenho dito.

8 de abril de 2013

Happy Sunday

Ontem foi, sem dúvida, um dia Happy e tanto que eu precisava... Mas adiante... O dia começou (bem, não me vou pronunciar sobre os mais de 30 minutos parada numa fila com a temperatura do espertinho a subir... e a minha também!!) com uma bela de uma corrida (caminhada, vá!) nos 5km mais felizes do Planeta! Não sei se são os mais felizes, mas que estão lá perto, lá isso estão. Um bom grupo de amigos; um tempinho de caca, mas que lá se foi aguentando; algumas expectativas sobre como se ia processar tudo e, no início, durante e no fim, muita diversão (até o tempo de espera para partir se passou bem). Só acho que devia haver mais música durante a prova (com discos pedidos, sim Z.?) e que cada um dos participantes deveria ter levado um bem alimentar. Assim de repente juntavam-se 15000 pacotes de açúcar, farinha, massa e/ou arroz e ajudava-se uma ou mais instituições. Não custava nada e quem mais precisa agradecia! Fica a sugestão. Haverá corridas em Braga, Coimbra e Lisboa, portanto, ainda podem participar. Vale a pena! Depois de uma boa banhoca e de um almoço de domingo mais tardio do que o habitual, segui para o Teatro Sá da Bandeira para ver a peça "Lar Doce Lar" (com bilhete oferecido ainda sabe melhor!ehehehe). A sala estava cheia de idosos fófinhos a mandar bitaites de umas filas para as outras (excursões! Muitas excursões!!) e deu logo para animar a malta. A peça em si é de rir. Não foi das melhores que já vi do meu querido Monchique, mas vale a pena na mesma. Tem piadas boas e o trabalho daqueles dois actores (Joaquim Monchique e Maria Rueff) a fazerem quase 10 personagens, é de louvar. Ainda há bilhetes para o próximo fim-de-semana, portanto, se quiserem dar umas boas gargalhadas, já sabem!

6 de abril de 2013

"Deita cá para fora"

Há alturas na vida em que temos demasiadas perguntas para tão poucas respostas. Queremos perceber o por quê, mas ninguém nos explica. Há alturas na vida em que os dias nos parecem demasiado sombrios e assustadores para continuar. Queremos saber quando vão acabar, mas ninguém nos diz. Há alturas na vida em que parece que carregamos o mundo nas costas. Queremos perceber por quê nós, mas ninguém nos responde. Há alturas na vida em que parece que ninguém nos compreende, nos dá valor nem se preocupa connosco. Queremos perceber por que damos tanto de nós aos outros e esses outros não nos acarinham como desejaríamos, mas ninguém parece interessado em dar uma resposta. Há alturas na vida em que o mundo parece estar contra nós, mas talvez sejamos nós que estamos contra o mundo. Como diz a minha querida H., não há dias bons nem maus, tudo depende da perspectiva como os vemos. À medida que "cresço" nesta coisa de vida adulta (boring!), conheço cada vez mais pessoas que têm tudo para serem felizes e não são, por um ou outro motivo. Pessoas que desistem do futuro, de serem felizes e, em última análise, de viver. Coragem para continuar ou coragem para desistir, a eterna questão... Acto egoísta ou desesperado? Há uns anos atrás era a primeira pessoa a criticá-las, mas hoje, a vida fez-me ver as coisas sob um outro prisma (continuo a dizer que era mais feliz quando vivia no meu mundo cor-de-rosa...). Custa-me muito aceitar que as pessoas desistam. Muito mesmo. Ainda para mais pessoas que nunca esperaríamos que o fizessem... pessoas, aparentemente, felizes. Numa tentativa de acalmar a minha alma, prefiro pensar que algo de sobrenatural aconteceu, como diz a minha querida L. E custa-me muito pensar no sofrimento de quem fica. Sem dúvida que, mais do que quem vai, preocupa-me quem fica e é, sobretudo, por esses que rezo. É a esses que tenho dedicado as minhas orações. Dizem que o tempo cura (quase) tudo e é nisso que temos de nos apoiar para superar situações que, ao longo da vida nos vão pondo à prova. Isso e o procurar ajuda. Sem medo. Sem vergonha. http://www.youtube.com/watch?v=DxDaHbonSUI&list=PL8B7BC5F7F4421C7B